IT Forum 365
transformação digital

Os impactos da transformação digital nos negócios

Por meio de tecnologias como intelligent edge e Internet das Coisas é possível impulsionar a satisfação do cliente, aumentar as receitas e reduzir custos 

Por Ana Pinczuk*

Imagine essa cena: um fã de corrida de carros consegue observar por um smartphone seu motorista favorito por meio de uma câmera instalada na cabine do veículo. Ou um trabalhador com um par de óculos inteligente do Google que permite aos especialistas de TI, mesmo à distância, analisar um problema técnico, ajudando a corrigi-lo. Ou, ainda, um sistema de internet na cidade que possiblita que uma mãe use o celular para ver seus filhos na escola.

Estes não são cenários futuristas, mas exemplos reais de empresas e cidades voltadas para o futuro em todo o mundo. Hoje, companhias e governos querem que seus usuários tenham experiências completas e personalizadas. A transformação digital pode ajudá-los a impulsionar a satisfação do cliente, aumentar as receitas, reduzir custos e gerenciar os riscos.

Uma de minhas histórias favoritas de disrupção é da Netflix, que começou como uma empresa de envio de DVDs de filmes para as residências. Em seguida, passou a transmitir vídeos na internet, tornando-se extremamente popular. Agora, está construindo serviços em cima dessa plataforma digital, permitindo que os clientes vejam séries originais como House of Cards e Narcos. A companhia passou por uma revolução digital contínua para aprimorar a experiência do cliente e alcançar resultados comerciais.

Os reflexos da digitalização

Os serviços de TI, é claro, estão no centro dessas mudanças e, por meio da inovação, têm ajudado a oferecer novas funcionalidades aos clientes. Seja com um produto como o Dropbox, seja com uma marca como e-tailer Etsy, tudo está sendo transformado pela tecnologia – e a mudança é constante.

Hoje, com a TI híbrida, é possível gerenciar arquivos em provedores de nuvem de terceiros, adicionando dados em poucos minutos. Ao mesmo tempo, você pode manter seus dados confidenciais em servidores internos. Você obtém a velocidade e o custo acessível da nuvem com a segurança e o controle de seu próprio ambiente.

Em última análise, o consumo flexível trará mais benefícios do que apenas a velocidade e a economia de custos. Ele contribuirá para que suas operações deixem de ser reativas para se tornar proativas e, em última instância, preditivas. Um dos benefícios da cloud  pública, por exemplo, é que você não precisa se preocupar com a infraestrutura. Mas, e se a sua infraestrutura cuidasse dos processos? E se seus sistemas de TI pudessem informá-lo sobre potenciais problemas antes que eles ocorressem? Por exemplo, um carregamento de peças cruciais pode aparecer em sua fábrica quando você nem sabia que havia um problema. Quanto mais adicionamos inteligência artificial para a análise de dados e suporte operacional, mais a infraestrutura pode cuidar de si mesma e mais tempo é liberado para que os gerentes de linha trabalhem na inovação.

Ao mesmo tempo, estamos testemunhando a inovação impulsionada pelo chamado intelligent edge. Graças ao crescimento exponencial de sensores, smartphones e outros dispositivos, você pode comunicar e analisar informações coletadas de espaços de trabalho, consumidores e, até mesmo, fenômenos naturais, como o clima. A tecnologia engloba informática, armazenamento e conectividade que podem ser confiáveis ​​e seguras, e isso permite que as empresas recolham dados para insights e ações perto da fonte, seja pelos próprios objetos, seja em servidores próximos.

A equipe de corrida M1 GT é um excelente exemplo. Por meio de um aplicativo móvel, com reconhecimento de localização, fãs do evento e patrocinadores se aproximaram, com acesso aos horários de corridas, informações sobre os pilotos, atualizações climáticas em tempo real e posição dos carros. Eles podem, até, ver o motorista no carro ao vivo, o que nunca foi feito antes. E, é claro, se tiverem fome, podem pedir pipoca e limonada e recebê-los já pagos em seus lugares.

O mundo tecnológico que descrevi aqui está ao nosso alcance. Como o escritor de ficção científica William Gibson afirmou: “O futuro já está aqui, só não está ainda distribuído uniformemente”. Eu acredito que este futuro está ao alcance de todas as empresas, independentemente do tamanho ou do setor. É simplesmente uma questão de abraçar a tecnologia de forma inteligente, econômica, focada no cliente e em resultados comerciais desejados. Basta começar.

*Ana Pinczuk é vice-presidente sênior e gerente-geral da HPE Pointnext.

Saiba mais:
Deep Learning: quando e por que usar
Como fica a segurança da informação com IoT?
Cloud híbrida: 3 passos para montar uma estratégia eficaz

Imagem: depositphoto

Comentários

Notícias Relacionadas

IT Mídia S.A.

Copyright 2017 IT Mídia S.A. Todos os direitos reservados.